Geral

Aumentos reais de salários batem recorde no semestre

14/12 - 16h33


O aumento da inflação não impediu que os acordos salariais atingissem reajustes



O aumento da inflação não impediu que os acordos salariais firmados no quarto trimestre atingissem reajustes próximos à casa dos dois dígitos. De setembro a novembro, quando a maior parte dos sindicatos com data-base no segundo semestre negocia salários, a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) saltou 1,1 ponto percentual, passando de 4,3% nos 12 meses acumulados até 1º de setembro para 5,4% nos 12 meses acumulados em novembro.

Ainda assim, os 270 mil metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, cuja data-base é em novembro, conquistaram os mesmos 9% que os 102 mil metalúrgicos do ABC atingiram em setembro. O aumento real, no entanto, foi diferente - enquanto no ABC os salários tiveram um salto de 4,7% acima da inflação, em São Paulo e Mogi esse reajuste foi de 3,6%.

Se no primeiro semestre do ano o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) levantou que o equivalente a 87% das categorias obtiveram reajustes salariais acima da inflação - o maior percentual da série histórica do Dieese -, o segundo semestre, avalia José Silvestre, coordenador de relações sindicais do Dieese, foi, no mínimo, igual. O Valor levantou dez categorias, em diferentes regiões do país, com data-base no segundo semestre e o pior aumento real que encontrou foi de 1,7%.

Para Vanderlei Sartori, diretor da Federação de Trabalhadores nas Indústrias de Alimentos do Paraná, o período entre julho e dezembro de 2010 pode ser chamado de o melhor segundo semestre da história. Os quase 80 mil operários representados pela entidade tiveram um reajuste de 8,7% nos salários, embutindo um aumento de 3,1% acima da inflação.

A euforia do sindicalista paranaense foi dividida por comerciários de São Paulo e Florianópolis, trabalhadores na indústria têxtil de Caxias do Sul (RS) e de Blumenau (SC), garçons e gerentes de restaurantes e hotéis cariocas e eletricitários do Sergipe, que não tiveram reajuste real, mas tiveram sua dívida com o plano de saúde cortada em 42 pontos percentuais por mês e um abono de R$ 1 mil.

Antes deles, no começo do semestre, metalúrgicos de Campinas e São José dos Campos, em São Paulo, e de Curitiba, no Paraná, também conquistaram reajustes recordes, com taxas próximas à casa dos dois dígitos. Situação semelhante à de petroleiros e bancários que, em setembro e outubro, respectivamente, garantiram aumentos salariais de 9% nominais.
Tivemos ganhos reais acima das nossas demandas mais otimistas, diz Sartori, para quem as empresas já se dispunham a conceder aumentos reais logo de partida, diferentemente das negociações tradicionais, em que oferecem apenas a reposição da inflação na primeira reunião. Até nós ficamos surpresos, diz.
Cerca de 510 mil comerciários paulistas tiveram, neste mês, o maior reajuste salarial da década, depois que os sindicatos dos comerciários de São Paulo (470 mil trabalhadores) e Campinas, Valinhos e região (40 mil comerciários) conquistaram uma alta nominal de 7,5% nos salários.

Os quase 300 mil trabalhadores de indústrias químicas de São Paulo tiveram reajuste real de 2,8%, em acordo fechado no início do mês. Os 50 mil funcionários das mais de 6 mil padarias da Grande São Paulo tiveram, no mês passado, reajuste de 8,7% nos salários, sendo 3,14% acima da inflação. Segundo Francisco Pereira, o Chiquinho, presidente do sindicato, o momento de entusiasmo econômico facilitou nas negociações.

Quando sentamos para conversar, os patrões sempre surgem com dados negativos, parece que estão falidos, diz Chiquinho, para quem dá vontade de tirar as moedas do bolso e dar a eles. Chiquinho afirma que os sindicatos precisam estar muito bem informados sobre a economia para dialogar.

Os reajustes salariais expressivos são resultado de dois fatores combinados - o bom momento vivido pela economia, cujo Produto Interno Bruto (PIB) pode registrar avanço superior a 7,5% pela primeira vez em 24 anos, e a forte geração de empregos - saldo de 2,4 milhões de vagas formais criadas entre janeiro e outubro e queda na taxa de desemprego. Com isso, o trabalhador passa a ser disputado pelas empresas. Esse processo, explica Silvestre, do Dieese, dá aos sindicatos maior poder de barganha no momento de negociar acordos mais relevantes - seja nos salários, seja nas condições trabalhistas (cestas básicas, redução de jornada e horas extras).

Conseguimos, neste ano, realizar pequenas paralisações e greves em grandes empresas, expediente que não realizamos há muito tempo, afirma Sartori, para quem as greves foram decisivas para os reajustes recordes.

Nos últimos seis anos tivemos reajustes crescentes, culminando com este resultado de 2010, o melhor da década, diz Miguel Torres, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, que garantiu reajuste de 9% para os 270 mil trabalhadores no Estado, cuja data-base ocorre em novembro. O forte crescimento do país, puxado, neste ano, pela retomada da indústria, que sofreu mais a crise em 2009, ajudou a mobilizar os trabalhadores, que passaram a ter várias empresas oferecendo empregos e aumentos salariais, afirma o líder sindical. Vimos placas de 'precisa-se' nas portas das fábricas, algo que estava extinto havia 20 anos, diz Torres.

Mesmo quem não aproveitou a bonança, no segundo semestre, não ficou decepcionado. O Sindicato dos Eletricitários de Sergipe conquistou, com a Energisa, um acordo que apenas repõe a inflação. Mas Sergio Alves, presidente do sindicato, avalia que o acordo foi dos melhores possíveis, uma vez que a principal demanda dos cerca de 900 trabalhadores era reduzir o reajuste de 66% que as mensalidades do plano de saúde sofreriam a partir de janeiro. Rebaixamos para 24%, além de um abono de R$ 1 mil, diz Alves.

*Valor Econômico





Notícias anteriores

» Que em 2011 a esperança vença o medo!
» Caixa confirma pagamento de delta retroativo
» Total de cheques frios cresce 1,68%
» Tulio Zamin confirmado para assumir a presidência do Banrisul em 2011
» Superávit da Previ beneficia a CASSI
» Bancários do HSBC cobram acordo global
» Caixa tenta prorrogar a compensação dos dias da greve de maneira irregular
» Atendimento bancário no interior é das 8h às 10h no dia 24
» Caixa bancário tem direito a dez minutos de intervalo a cada 50 trabalhados
» Acordo sobre superávit da Previ é aprovado por 80% dos participantes
» Senado aprova indicação de Tombini para o Banco Central
» Empregados escolhem, de 13 a 17, membros do Conselho de Usuários do Saúde Caixa
» Polícia Federal multa bancos em R$ 2,243 milhões na 88ª reunião da CCASP
» Receita divulga regras para declaração do IR 2011
» Febraban divulga horário de funcionamento dos bancos no Natal e Ano Novo
» Sindicato convoca associados para assembleia
» Sancionada lei que proíbe demissão por justa causa de bancário com dívida
» CUT reitera defesa do mínimo de R$ 580
» Receita dos bancos de investimento atinge US$ 1,5 bilhão
» Fetrafi-RS lança novo portal de notícias e vídeo institucional comunicação
Busca por notícias:
Palavra:

galeria


CUT Rio Grande do Sul


Federação dos Bancários RS

baner

Abraço