A dos neoliberais. Belo Horizonte, 1996. Ref: 25 B


Esta obra, de cunho acadêmico-profissional, não traduz somente um firme posicionamento do autor contra o neoliberalismo, o desmantelamento dos setores públicos e a privatização da Vale. Possuí também um forte apelo político, constituindo-se em uma excelente fonte de dados e idéias para todas as pessoas compromissadas com a construção de um novo tipo de sociedade que seja capaz de resgatar o respeito à dignidade dos cidadãos.

Teoria & Política. nº 11. "A questão Democrática e os Conselhos Populares. Forças armadas: tutela militar e subordinação estratégica. A questão do Partido. A unificação da Europa. O fenômeno Stalin. Modo de produção de transição: crítica ao estruturalismo". Brasil Debates, 1989.

Nesta edição, Teoria & Política destaca a entrevista com o especialista em estratégia militar, Geraldo Lesbat Cavagnari Filho.

Thorstensen, Vera; Nakano Yoshiaki; Lima, Camila de Faria; Sato, Cláudio Seiji. "O Brasil frente a um mundo dividido em blocos". São Paulo: Nobel: Instituto Sul-Norte de Política Econômica e Relações Internacionais, 1994. Ref: 23 B.

O Brasil frente a um mundo dividido em blocos procura avaliar o desempenho do comércio externo brasileiro nos últimos anos, analisando as transações comerciais com os grandes blocos regionais em formações no momento atual: o Bloco Europeu, o Bloco América do Norte, o Bloco Asiático e o Mercosul. A partir desse quadro geral, é analisada a política de comércio externo de cada bloco em particular, especialmente a política de seus líderes, para só então identificar os principais instrumentos de proteção e de promoção ao comércio externo, e verificar de que modo tais instrumentos podem afetar o comércio externo brasileiro.

Marx, Irton. Vai nascer um novo País: República do Pampa Gaúcho. Santa Cruz do Sul: ed. Excelsior, 1990. 224p. Ref: 22 B

Preenchendo muitos espaços em aberto, lacunas antes intransponíveis pelos setores mais evolucionistas da comunidade contemporânea, o livro retrata uma realidade antes desconsiderada ou mesmo ocultada do povo em geral.

Scliar, Cláudio. "Amianto: mineral mágico ou maldito? Belo Horizonte: CDI, 1998. Ref: 21 B.

Este trabalho enfoca um assunto que pouco a pouco permeia os segmentos profissionais interessados nas questões trabalhistas, ambientais, de saúde pública e das geociências. Trata-se do uso de minerais amiantíferos.

"Profissão: Bancário, perfil da categoria". Revista Estudos Sócio-econômicos. nº 5. Publicação do DIEESE. 1980. Ref: 20 B.

Um resumo rápido da categoria bancária nos últimos tempos, idetifica um quadro que pode ser apreendido de frases esparsas, comumente ouvidas nesse meio, como: "a situação do bancário mudou muito", "o bancário não é hoje tão atuante como era antes", "os bancos lucram hoje mais do que lucravam", "o bancário é cada vez mais explorado". Diante da detecção desse quadro, e especialmente para verificar se o bancário estava sendo prejudicado em seus direitos adquiridos, como caso da jornada de trabalho de seis horas, as direções sindicais preocuparam-se em solicitar ao DIEESE um levantamento que trouxesse respostas sobre como é a categoria bancária.

Silva, José Wilson da. "O tenente vermelho". Porto Alegre: Tchê. 1987. Ref: 18 B.

Em duas remessas, o presidente de Cuba, Fidel Castro entregou um milhão de dólares para os exilados em Montevidéo (liderados por Leonel Brizola, João Goulart e Darcy Ribeiro) para financiar operações de guerrilha contra o golpe militar de 64.

Ohlweiler, Otto Alcides. "Evolução sócio-econômica do Brasil: do descobrimento à nova república". São Paulo: Ortiz.1990. Ref: 17 B.

Esta obra, escrita à luz do materialismo histórico, é uma contribuição, viva e original, já imprescindível para o estudo da formação da sociedade brasileira. A periodização adotada - da Descoberta à Independência, da Independência à Abolição, da Abolição ao Movimento de 30 à crise de 1954 e da administração JK à Nova República.

Carvalho, Joaquim Francisco de; Rosa, Luiz Pinguelli; Leite, Rogério Cezar de Cerqueira; Menezes, Luiz Carlos de; Vasconcellos, César Augusto Zen; Dagnino, Renato Peixoto; Vizentini, Paulo Fagundes; Iglesias, José Roberto; Aveline, Alfredo. "O Brasil nuclear: uma anatomia do desenvolvimento nuclear brasileiro. Tchê: 1987. Ref: 16 B.

Este livro é uma verdadeira radiografia inicial da problemática nuclear. O seu enraizamento armamentista, os artifícios negocistas, a diplomacia entreguista de que, ao mesmo tempo em que entrega fatias do Brasil, engorda contas bancárias.

Melman, Charles. "Alcoolismo, delinqüência, toxicomania: uma outra forma de gozar". Tradução de Rosane pereira; organização e revisão técnica Contardo Calligaris. São Paulo: Escuta, 1992. Ref: 14 B.

"O tipo de alcoolismo que tentamos descrever (fiando-nos apenas em seu aspecto clínico, prognóstico, terapêutico), distinguindo-o do grupo díspar das toxicomanias, produz-se essencialmente entre os representantes de uma categoria social dita trabalhadora". (o autor)

Jinkings, Nise. "O mister de fazer dinheiro: automação e subjetividade no trabalho bancário". São Paulo: Bontempo Editorial, 1995. Ref: 13 B.

Este livro oferece uma contribuição original para o entendimento das metaformoses em curso no mundo do trabalho, a partir do advento das transformações tecnológicas e das formas de flexibilização do capital.

"Era uma vez...em alguma lugar na América Latina. A construção do Socialismo. Reprodução do texto italiano: "Il cile no é uma favola". Centro di Documentazione - Pistoia Libreria Calusca Editrice. Ref: 12 B

Texto inspirado nos acontecimentos do Chile (setembro de 1973.

Fernandes, Anníbal. "Guia dos aflitos da Previdência: a nova seguridade social brasileira". São Paulo: Oboré Editorial, 1988. Ref: 10 B

Através deste livro o autor pretende, sobretudo, incentivar o estudo e o debate sobre a previdência social entre os trabalhadores e o movimento sindical. Deseja contribuir para que o trabalhador encontre o seu sindicato.

Koutzii, Flávio. "Contra corrente: desmascarando o Governo Britto". Porto Alegre: Corag. Ref: 9 B (3 exemplares)

Contra Corrente reúne textos do deputado Flávio Koutzii e documentos produzidos por seu gabinete entre 1995 e 97. Constituem uma denúncia contra o projeto político implantado no País e, especificamente, no Rio Grande do Sul. São avaliações, fatos e números que revelam o tamanho da tragédia gaúcha sob o Governo Britto e evidenciam sua opção preferencial pelos poderosos.

Wellausen, Araré. "Consumismo: origem em cada um de nós". Porto Alegre: Tchê, 1988. Ref: 8 B.

…É num quadro de consumo e discussão maciços, que o estudo de Araré Wellausen se insere de forma inequívoca. Este livro une uma ferramenta - análise psicológica - a um móvel - consumismo. Consumismo que aponta o indivíduo como vítima de uma trama da qual ele, pessoa, também é cúmplice.

Praxis. Julho de 1995, nº4. Paula, João Antônio de. "Reformas democrático-populares e contra-reforma neoliberal"; Almeida, Lúcio Flávio de. "Nacionalismo, antipopulismo e modernidade: além do falso dilema"; Lessa, Sérgio. "Crítica ao praticismo 'revolucionário'; Ranieri, Jesus. "Sobre a categoria trabalho na Fenomenologia do espírito de Hegel"; Kellog, Paul. "Engels e as raízes do revisionismo". Belo Horizonte: 1995. Ref: 6 B.

Práxis, revista teórica editada por um coletivo do tipo cooperativa, é composta por indivíduos sem partido ou membros de partidos de esquerda, militantes do movimento sindical e popular, estudiosos e intelectuais em geral que tenham na obra de Marx o referencial decisivo, nos termos de sua Carta de Fundação".

Novos Estudos. Nº 40. São Paulo: Editora Brasileira de Ciências, 1994. Ref: 5 B.

Novos Estudos é um publicação quadrimestral (março, julho, novembro) do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento.

Novos Estudos. Nº 41. São Paulo: Editora Brasileira de Ciências, 1995. Ref: 5 B.

Preocupados com os obstáculos que o Governo de Fernando Henrique Cardoso iria enfrentar, a Secretaria de Planejamento da Presidência da República e o Cebrap organizaram um seminário para refletir sobre os dilemas da governabilidade.

Novos Estudos. Nº 42. São Paulo: Editora Brasileira de Ciências, 1995. Ref: 5 B.

Novos Estudos. Nº 43. São Paulo: Editora Brasileira de Ciências, 1995. Ref: 5 B.

Oliveira, Miguel Darcy de; Poppovic, Pedro Paulo; Oliveira, Rosiska Darcy de; Poppovic, Malak El-Chichini; Sochaczewski, Antonio Cláudio; Paiva, Miguel. "A dívida e a pobreza: quanto custa acabar com a miséria no Brasil". São Paulo: Brasiliense, 1986. Ref: 4 B.

A busca de uma solução justa e duradoura para a crise da dívida externa é uma "questão política" e, como tal, deve ser tratada. Não é um problema técnico e não é um problema apenas dos países devedores. (os autores)

Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial. Mapa da população negra no mercado de trabalho. São Paulo: Dieese,1999. Ref: 3 B.

O INSPIR tem procurado construir instrumentos de apoio às entidades sindicais e movimentos sociais na luta em defesa da cidadania de negras e negros no mercado de trabalho e na vida. Nesse sentido tomou a iniciativa de atualizar os dados que durante anos subsidiaram as intervenções na questão racial.

De Fato: a revista da CUT. Toyotismo e Microeletrônica:uma revolução que desafia os sindicatos. Ano 1. Nº 2, dez/1993. Ref: 2 B.

De Fato chegou com a crise batendo no teto. Mas luzes vão se espraiar pela clarabóia para desnudar a decadência das elites brasileiras, incapazes de tirar o País desta rota sombria.

Campanha Nacional contra a Alca (org). "Soberania sim, Alca não: análises e projetos". São Paulo: Expressão Popular, 2002. 190 p. Ref:

Desde 1994 está em curso um processo de implantação da ALCA no continente americano, por iniciativa do governo dos Estados Unidos da América. A ALCA é, na verdade, um plano estratégico de empresas norte-americanas, através de seu governo, para impor seus interesses a todo o continente. Este livro contém análises e ensaios que explicam com mais detalhes esse plano estratégico.

Marini, Henrique A. F. ; Freitas, Valter de A. "Perfil dos bancários de Santa Cruz do Sul e Região. Santa Cruz do Sul: 1995.

Pesquisa realizada em 1995 com o objetivo de definir o perfil dos bancários da base do Sindicato dos Bancários de Santa Cruz do Sul e Região.

Kucinski, Bernardo. "O que são multinacionais". São Paulo: Brasiliense,1995. Ref: 29 A

Gigantescas, mais poderosas que os governos, adotam o planeta Terra como mercado. Cortam fronteiras, munidas de capital e tecnologia, espalhando fábricas e produtos pelos continentes, à procura de lucros onde quer que seja. São as multinacionais, sustentáculos do capitalismo - compreendê-las torna-se fundamental para a análise da economia de nossos dias.

Dallari, Adilson. "O que é funcionários público". São Paulo: Brasiliense, 1989. Ref: 30 A

O funcionário público tem a imagem de uma pessoa vadia, incompetente e mal educada, quando não também corrupta e marajá. Mas apesar de em muitos casos isso ser verdade, não é essa a regra geral e existem soluções praticáveis para a situação. Soluções necessárias se a população quiser receber os benefícios do serviço público - transporte, segurança, educação - pelos quais paga.

Sabbi, Alcides Pedro. "O que é FMI". São Paulo: Brasiliense,1991. Ref: 32 A

Para alguns trata-se de um senhor respeitável que cuida de pôr em ordem as caóticas economias dos países subdesenvolvidos; para outros, trata-se de um médico à serviço das nações ricas, sempre pronto a receitar remédios que provocam terríveis efeitos colaterais (recessão, desemprego, "quebradeira"). Remédios que, além do mais, não curam as doenças que pretendem combater (inflação, déficit público, ineficiência). O que é FMI mostra como funciona, o que pensa e a que interesses serve esse personagem tão polêmico das altas finanças internacionais.

Bisso, Ely Moraes. "O que é segurança do trabalho". São Paulo: Brasiliense, 1990. Ref: 33 A

Bóias-frias sacolejando na boléia de caminhões semidestruídos; peões sem capacete pendurados em andaimes precaríssimos, operários envolvidos por fagulhas a operar soldas sem máscaras de proteção: quantas vezes já vimos cenas assim? No Brasil, o perigo é companheiro inseparável do trabalhador, com base na experiência adquirida como consultor de empresas, Ely Moraes Bisso discute os aspectos econômicos, políticos e sociais do problema, mostrando o que é possível fazer para cortar o passo desse mal que, sem muito alarde, todos os anos mata ou mutila milhares de cidadãos brasileiros.

Leite, Márcia Paula. "O que é greve". São Paulo: Brasiliense,1988. Ref: 34 A

Operação tartaruga, quebra de máquinas, sabotagem, greve... São muitas as formas de luta que os trabalhadores do mundo todo podem adotar visando a conquista de melhores condições de vida e de salário. Mas, sem dúvida, a greve é sempre o principal instrumento que os trabalhadores têm para reverter a relação de poder entre empregados e empregadores. Mais que isso, a greve é um direito dos trabalhadores, assegurado em todas as sociedades democráticas.

Souza, Paulo Renato. "O que são empregos e salários". São Paulo: Brasiliense, 1981. Ref: 35 A

Um dos temas mais complexos da teoria econômica, o emprego global de um País corresponde à soma de todas as pessoas em alguma tarefa produtiva. Essa definição aparentemente simples, encerra grande número de controvérsias e de conceitos particulares. Partindo de uma visão dinâmica do problema do emprego e do salário, o autor analisa, entre outros aspectos, a estrutura do emprego no Brasil e a determinação dos salários nas várias atividades econômicas.

Wright, Charles Leslie. "O que é transporte urbano". São Paulo: Brasiliense, 1988.

Quando o assunto é transporte urbano no Brasil, só existem certezas: afirma-se que as suas deficiências são decorrência direta da crise econômica, que transporte é sinônimo de veículos motorizados, ou que o metrô é o de mais baixo custo. Aqui, essas certezas são derrubadas uma a uma. Em seu lugar, colocam-se sugestões para humanizar, disciplinar e desenvolver o transporte e, em conseqüência, o bem-estar de todos nós.

Codo, Wanderley; Sampaio, José Jackson Coelho; Hitomi, Alberto Haruyoshi. Petrópolis: Vozes, 1993. Ref: 37 A

..."Este livro quer discutir o trabalho: instrumento de humanização do homem, momento mágico capaz de inventar o espelho... Recusa-se sistematicamente a escolher um alvo, prefere perguntar a cada um dos interlocutores o que eles têm a dizer sobre o trabalho alheio". (o autor)

Dejours, Christophe. A loucura do trabalho: estudo da psicopatologia do trabalho. Tradução de Ana Isabel Paraguay e Lúcia Leal Ferreira. São Paulo: Cortez, 1992. Ref: 39 A

O mais estimulante no trabalho de Dejours é exatamente a questão que ele se propõe a responder: como fazem os trabalhadores para resistir aos ataques ao seu funcionamento psíquico provocados pelo seu trabalho? O que fazem para não ficarem loucos? Com esta questão, amplia-se notavelmente o próprio objeto de estudo da psicopatologia do trabalho.

Freitas, Nilton. "Cadernos de Saúde do Trabalhador: Manual de ação sindical em saúde do trabalhador e meio ambiente". São Paulo: Instituto Nacional de Saúde no Trabalho, 2000. Ref: 41 A

A publicação deste manual é o início da série "Cadernos de Saúde do Trabalhador" , que tem como objetivo principal capacitar os sindicatos cutistas a desenvolver ações em defesa da segurança da segurança e da saúde do trabalhador e do meio ambiente, a partir do conhecimento acadêmico e da experiência de luta já vivida por outros sindicatos.

Mais, Domenico de. "O ócio criativo". Rio de janeiro: Sextante, 2000. Ref: 42 A

Em "O Ócio Criativo", Domenico De Mais elabora não apenas os temas da sociedade pós-industrial, do tempo livre e da criatividade, como também as questões da globalização, do desenvolvimento sem emprego, da feminilização, do declínio das ideologias tradicionais e dos sujeitos sociais emergentes.

Sindicato dos Bancários de-SP. "Paramos São Paulo, sacou?: a participação dos bancários paulistas na greve que parou o Brasil em 85". São Paulo: 1986. Ref: 43 A

Esta publicação relata a greve dos bancários ocorrida em setembro de 1985. É o resultado de um esforço conjunto de reflexão e avaliação feito pelos principais protagonistas do movimento: os trabalhadores bancários, tanto da base quanto da direção do sindicato.

Souza, Norberto Silveira de; Avelar, Mônica Amazonas Duarte de. "abc da Greve". São Paulo: LTR São Paulo, 1993. Ref: 44 A

O "ABC da greve" é leitura obrigatória para todos que tenham convívio com o mundo do trabalho.

Lafargue, Paul. "O direito à preguiça e outros textos". Tradução de Maria Flor Marques Simões. São Paulo: Edições Mandacaru, 1990. Ref: 28 A

"Os socialistas revolucionários têm de recomeçar o combate que os filódofos e os panfletários da burguesia já travaram, têm que atacar a moral e as teorias sociais do capitalismo, têm de demolir, nas cabeças da classe chamada à ação, os preconceitos semeados pela classe reinante, têm de proclamar, no rosto dos hipócritas de todas as morais, que a terra deixará de ser um vale de lágrimas do trabalhador"... (o autor)

Bourguignon, Denise. "Aspectos epidemiológicos de acidentes de trabalho em bancários: um recorte de gênero e adoecimento". Vitória: uma publicação do Sindicato dos Bancários do Espírito Santo, 1999. Ref: 24 A

"Aos olhos do leigo, não há ambiente mais 'asséptico' e arrumado que um bancp. Com seu design moderno, ambiente refrigerado, plantas dispostas de maneira a tornar o espaço de trabalho em algo visualmente harmônico, apresentam os projetos ergonômicos bancários, a idéia de um ambiente de trabalho agradável, inócuo e de conforto. Será isto real?" (a autora)

Gennari, Emílio. "Automação, terceirização e programas de qualidade total: os fatos e a lógica das mudanças nos processos de trabalho". São Paulo: CPV, 1997. Ref: 26 A

Não são poucas as pessoas que, nos últimos tempos, tem se dedicado a descrever as mudanças que estão ocorrendo ao nível dos locais de trabalho. Esta primeira aproximação da realidade, porém, ainda que necessária para visualizar a forma pela qual se manifestam estas mudanças, mantém ocultas as relações que lhes deram origem e confere a elas uma aparente naturalidade.

CNB - CUT. "A saúde no trabalho bancário". São Paulo: Instituto Nacional de Saúde no Trabalho, 1993. Ref: 23 A

Ao planejar esta publicação a CUT, o Instituto Nacional de Saúde no Trabalho e a Confederação Nacional dos Bancários pretendiam apresentar um relato das reflexões desenvolvidas pelos bancários em sua experiência sindical de defesa da própria saúde. É esta experiência ainda heterogênea, de todo modo sistemática, que queremos compartilhar, com o balanço dos desafios enfrentados cotidianamente pela categoria.

Oliveira, Sebastião Salgado de. "Proteção jurídica à saúde do trabalhador". São Paulo: LTR, 1996. Ref: 22 A

A saúde do trabalhador vem sendo debatida pelos profissionais da Medicina do Trabalho, da Engenharia de Segurança, da Psicopatologia, da Ergonomia, mas faltava um aprofundamento no enfoque da ciência jurídica. Esta obra pioneira no assunto preenche um vazio na literatura jurídico-trabalhista, pois está centrada no Direito à saúde do trabalhador, em vez do pensamento corrente de compensar as agressões com adicionais de remuneração, na retrógrada política de monetização dos riscos.

"Toyotismo e Neoliberalismo". São Paulo: CPV, 1995. Ref: 21 A

Coletânea de textos

Cattani, Antonio David. "Processo de trabalho e novas tecnologias". Porto Alegre: Editora da Universidade/ UFRGS, 1995. Ref: 20 A

A economia e a sociedade vem passando por um acelerado processo de transformação, globalização, terceirização, desmaterialização da produção, teletrabalho, ohnoísmo, são alguns dos conceitos e das práticas que afetam a organização produtiva, as identidades e as relações sociais. (o autor)

Marçal, João Batista. "Primeiras lutas operárias no Rio Grande do Sul: origens do sindicalismo rio-grandense". Porto Alegre: Livraria do Globo S.A, 1985. Ref: 19 A (dois exemplares)

Uma síntese histórica das primeiras entidades operárias do Rio Grande do Sul, suas diretorias, suas greves, sua luta política. A disputa entre anarquistas e socialistas (libertários e autoritários) pela hegemonia de direção. Do fundo do tempo, o grito da memória operária, um pouco da experiência do povo trabalhador. Experiência que precisa ser recuperada.

Martins, Heloísa de Souza; Ramalho, José Ricardo. São Paulo: Hucitec, 1994. Ref: 18 A

O conjunto de trabalhos aqui reunidos, centra suas atenções sobre a terceirização e seus efeitos no mundo do trabalho. A diversidade de abordagens garante, uma ampla cobertura dos diversos ângulos e aspectos da terceirização e suas relações com os sindicatos de trabalhadores

CEDEC. "Sindicatos em uma época de crise. Petrópolis: Vozes, 1984. Ref: 17 A

Os artigos contidos nesta edição tratam de aspectos regionais e nacionais do sindicalismo brasileiro contemporâneo. São contribuições de pesquisadores que, há dois anos, procuram discutir e coordenar seus trabalhos nessa época.

Osório, Paulo Sérgio, Generoso, Edegar da Cunha. "História do Sindicato dos Bancários de Criciúma e Região. Criciúma: SEEB Criciúma e Região, 1995. Ref: 16 A

Trabalho de pesquisa na área sindical e sua realização se deu por iniciativa do Sindicato dos Bancários de Criciúma, com o objetivo de proporcionar aos trabalhadores, o conhecimento acerca de uma história da qual são herdeiros e sujeitos.

Cattani, Antonio David. "Trábalo e tecnología: diccionario crítico". Petrópolis: Vozes, 1997. Ref: 15 A

Os 50 verbetes que compõem este dicionário foram escolhidos Segundo dois critérios. O primeiro decorre do reconhecimento da importância inconteste de alguns conceitos. Relações de trabalho, taylorismo, são conceitos consagrados que fazem parte, há muito tempo, do instrumental para a análise do trabalho humano. Como segundo critério de seleção, buscaram-se aqueles conceitos que surgiram recentemente para se definir práticas e fenômenos originais ou, ainda, que traduzem novas percepções sobre o mundo do trabalho.

Dejours, Christophe. "A banalização da injustiça social". Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1999. Ref: 13 A

Como fazemos para tolerar a sorte reservada aos desempregados e aos "novos pobres", cujo número não pára de aumentar? E como conseguimos, ao mesmo tempo, aceitar sem protesto as pressões do trabalho, que são cada vez maiores e chegam a pôr em risco, como sabemos, nossa integridade mental e física? Christophe Dejours, especialista do trabalho, descobre que na origem desse consentimento e desse estranho silêncio está o medo; e depois a vergonha, quando, para fazer funcionar a máquina neoliberal, acabamos por cometer atos que todavia reprovamos. Ele mostra como nos protegemos, para poder suportar o sofrimento (padecido e infligido) sem perder a razão.

Canêdo, Letícia. "Bancários: movimento sindical e participação política". Campinas: Editora da Unicamp, 1986. Ref: 14 A

Este trabalho é a continuação de uma pesquisa realizada pela autora, sobre a organização sindical dos bancários paulistas no período de 1923-1944. A presente investigação considera o significado político dessa organização em duas fases da história política brasileira: o período da implantação do regime político de 1946 até a sua crise e o período pós 64 até 1978, data em que o movimento sindical brasileiro começa a assumir novos rumos.

Araújo, José Prata de. "A construção do sindicalismo livre no Brasil". Belo Horizonte: Editora Lê, 1993. Ref: 12 A (3 exemplares)

O livro relata a experiência militante do autor, os impasses com os quais se defrontam, ao atuarem no interior da estrutura sindical reformada, as correntes sindicais de esquerda.

Abramides, M. Beatriz C; Cabral, M. do Socorro Reis. "O novo sindicalismo e o serviço social". São Paulo: Cortez, 1995. Ref: 11 A

Com esta publicação as autoras colocam à disposição dos mais de 50000 assistentes sociais de todo o Brasil um retrato do que foi o momento mais intensamente vivido por esta categoria desde a sua origem no País em 1932.

Lênin, V.I. "Sobre os sindicatos". São Paulo: Polis, 1979. Ref: 9 A

Coletânea.

CUT. "60 anos - 1934 - 1994: Sindicato dos Bancários - ES". Vitória: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo,1995. Ref: 8 A (2 exemplares)

A intenção da diretoria do SEEB-ES ao lançar esse livro comemorativo é, primeiro, recuperar a história, refletir sobre o passado e avaliar a trajetória da entidade, os erros e acertos, em vista de construirmos um futuro melhor... mostrar a sociedade um outro lado da história. Um história que não é dos generais, dos reis, dos descobridores, mas daqueles que, muitas vezes anônimos e sem reconhecimento pelo 'saber oficial', são os verdadeiros 'heróis' deste país: a classe trabalhadora.

Cattani, Antonio David. "A ação coletiva dos trabalhadores". Porto Alegre: SMCultura - Palmarinca,1991. Ref: 7 A

Os trabalhadores, como força social concentrada e organizada, são os principais responsáveis pelos avanços sociais e econômicos. São eles que impulsionam a Civilização entendida como o processo da liberdade. Porém, de modo geral, esse papel é negado; a História é apresentada como obra exclusiva das elites. Resgatar a ação dos trabalhadores e, no caso brasileiro, o sentido da sua relativa neutralização pelo modelo corporativo, é condição essencial para entender as causas das profundas desigualdades econômicas e sociais e para repensar estratégias políticas alternativas.

Assesoar. "Conheça seus direitos: sindicato". Curitiba: Assesoar, 1979. Ref: 6 A

Esta publicação tem o objetivo de auxiliar os trabalhadores rurais a descobrirem seus direitos e a força de sua união em sindicato.

Xavier, Ernani Pereira. "Círculos de controle de qualidade: um método gerencial renovador". Curitiba: Centro de Produtividade do Paraná, 1983. Ref: 5 A

Este trabalho supre uma necessidade essencial de informação sobre o movimento dos Círculos de Controle de Qualidade. O objetivo da tese defendida pelo autor é contribuir para que este método gerencial não se transforme em mais um modismo administrativo, aplicado sem as devidas precauções das empresas brasileiras.

Ribeiro, Herval Pina; Lacaz, Francisco A de. "De que adoecem e morrem os trabalhadores". São Paulo: IMESP, 1984. Ref: 4 A

Dentro do capitalismo, o trabalho se exerce em condições próprias: o operário é um homem livre, despossuído, que troca sua força de trabalho pelos meios necessários para sua existência. O operário trabalha para viver. Seu salário compra os alimentos, o abrigo, os bens e serviço de que ele necessita normalmente. Por ser baixo, o salário impõe restrições ao tipo de vida que o trabalhador pode ter. Este livro pretende mostrar outro lado desta realidade: o trabalho também mata.

Wisner, Alain. "A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia". Tradução Roberto Leal Ferreira, São Paulo: Fundacentro, 1994. Ref: 3 A

O livro apresenta modernos conceitos da ergonomia em saúde do trabalhador, é resultado de atividades de pesquisa, ensino e prestação de serviços na área de segurança e saúde do trabalhador.

Censo Bancário. "Avaliação de saúde dos bancários do Rio Grande do Sul". Porto Alegre: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre; Federação dos Bancários do Rio Grande do Sul, 1997. Ref: 2 A

O primeiro olhar sobre o trabalho bancário produz a impressão de que se realiza em um ambiente livre de riscos à saúde. O que se constata, no segundo olhar, é o contrário: trata-se de um ambiente que oferece significativa incidência de doenças muito particulares. Frente a essa realidade, e a partir de debates levados a efeito no Departamento de Saúde do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e no Coletivo de saúde da Federação dos Bancários do RS, tornou-se necessário conhecer mais profunda e sistematicamente a categoria bancária acerca das condições de trabalho e da saúde física e mental.

Esterci, Neide. "Escravos da desigualdade: um estudo sobre o uso repressivo da força de trabalho hoje. Rio de Janeiro: CEDI: KOINONIA, 1994 Ref: 8 C

No Brasil e no mundo denunciam-se hoje situações de exploração consideradas como forma de escravidão. Este livro trata do significado político do termo escravidão; indica a diversidade de contextos sócio-culturais em que as situações denunciadas ocorrem; analisa mecanismos de legitimação e formas de resistência.

Enzensberger, Hans Magnus. "O curto verão da anarquia: Buenaventura Durruti e a guerra civil espanhola". Tradução de Márcio Suzuki. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. Ref: 10 C

Quando o livro foi publicado na Alemanha em 1972, não faltaram críticas de que se tratava de um romance sem autor, mera compilação de material documentado sobre o anarquista espanhol Buonaventura Durruti. A restrição era improcedente, como verá o leitor, mas não o inusitado da forma narrativa adotada. E aí está, justamente, na variedade e riqueza de seus recursos expressivos, em sua capacidade de surpreender, uma das marcas distintivas da obra de Hans Magnus Enzensberger.

Marx, Karl. "Salário, preço e lucro". São Paulo: Global Editora, 1988. Ref: 11 C.

Face à verdadeira epidemia de greves reinantes na Europa em meados dos anos sessenta do século XIX e a teses de origem burguesa que penetravam o interior do movimento operário - como a de que a luta dos trabalhadores por aumentos de salários não poderia contribuir para melhorar sua situação e de que essa luta deveria ser considerada prejudicial aos sindicatos. Marx expõe sua obra "salário, preço e lucro" perante a Associação Internacional dos Trabalhadores, em Londres, em junho de 1865. Nesta obra, ao refutar a mencionada tese, veiculada por um operário, ele, após longa exposição, durante a qual aborda sucintamente os conceitos fundamentais da Economia Política, propõe suas resoluções.

Lênin. "Imperialismo, fase superior do capitalismo". São Paulo: Global Editora, 1989. Ref: 12 C. (2 exemplares)

Este livro mostra que a Guerra de 1914-18 foi, de ambos os lados, uma Guerra imperialista (isto é, uma guerra de conquista, de pilhagem, de pirataria), uma guerra pela partilha do mundo, pela distribuição e redistribuição das colônias, das "zonas de influência" do capital financeiro, etc...

Engels, F. "Do socialismo utópico ao socialismo científico". São Paulo: Global Editora, 1988. Ref: 13 C.

O trabalho que o leitor tem diante de si fazia parte, originariamente, de uma obra maior. Em 1875, o dr. Dühring, docente da Universidade de Berlim, anunciou inopinadamente e com bastante alarido a sua conversão ao socialismo e apresentou ao público alemão não só uma teoria socialista minuciosamente elaborada , como também um plano prático completo para a reorganização da sociedade. Lançou-se, naturalmente, sobre os seus predecessores, distinguindo particularmente Marx, sobre quem derramou a sua transbordante cólera.

Krapívine, V. "O socialismo real: as relações sociais e o indivíduo". URSS: Edições Progresso Moscovo, 1984. Ref: 14 C

Ao longo de muitos séculos, os mais destacados espíritos da humanidade procuraram os caminhos para a supressão da injustiça social, para a remodelação as sociedade com base na liberdade, igualdade, respeito mútuo e espírito de ajuda mútua. A história conserva nomes de muitas personalidades eminentes - lutadores abnegados pela felicidade humana e criadores das concepções humanistas que refletem os sonhos de um futuro melhor e contêm conjecturas sobre a instauração de uma sociedade justa e a formação do homem do futuro.

Vólkov, F; Vólkova, T. "O que é a mais-valia?". URSS :Edições Progresso, 1987. Ref: 15 C

Cada novo dia traz notícias sobre as admiráveis realizações da humanidade no domínio científico, técnico e cultural, os seus novos êxitos na luta eterna pela dominação das forças da natureza e do desenvolvimento e aperfeiçoamento a individualidade humana... é muito importante compreender a essência da mais-valia, como se cria, se distribui e se utiliza. Para isso é necessário analisar as bases do regime econômico da sociedade burguesa e examinar os seus traços mais importantes.

Vares, Luiz Pilla. "O pescador de pérolas: por um marxismo vivo". Porto Alegre: Tchê, 1988. Ref: 16 C

Partindo de uma análise do Marxismo neste final de Século XX, o autor serve-nos de guia para provar, de maneira conclusiva, a necessidade da reinterpretação do marxismo face aos novos aspectos da sociedade capitalista.

Lênin. "O desenvolvimento do Capitalismo na Rússia". Tradução de José Paulo Netto. São Paulo: Abril Cultural, 1982. Ref: 17 C

A reflexão teórica e a prática política de Lênin, nos anos 90, não podem ser reduzidas a um conjunto de intervenções diversas, vinculadas pelos nexos que unem a crítica ao populismo a uma análise científica capaz de aportar elementos para a elaboração de uma estratégia a ser implementada por um partido revolucionário da classe operária. Antes, devem ser tomadas como a efetivação de um projeto global integrado de apreensão da dinâmica econômico-social de uma formação histórica particular, da identificação das suas tendências mais profundas, da determinação do seu movimento.

Marx. "Crítica da Economia Política: salário, preço e lucro". Traduções de Edgard Malagodi, Leandro Konder, José Arthur Giannotti, Walter Rehfeld. São Paulo: Abril Cultural, 1982. Ref: 18 C

No prefácio desta obra, Marx inseriu o seu currículo de estudos e publicações no domínio da investigação econômica.

Chakhnazárov G; Krássine, Lú. "Fundamentos do Marxismo Leninismo". Moscovo: Edições Progresso, 1981.

Este livro manuel que trata dos fundamentos da ciência da sociedade. Expõem-se nele a noção folosófica do Mundo e seu conhecimento, são caracterizados o capitalismo como formação sócio-econômica do período de transição do capitalismo para o socialismo e os traços principais do socialismo e comunismo.

Lénine. V. I. "Obras escolhidas em três tomos". Vol. 3. Lisboa: Edições Avante, 1982. Ref: 2 C

O tomo III das Obras Escolhidas compreende obras escritas no período entre Outubro de 1918 e Março e 1923. V. I. Lénine desenvolveu nessas obras as teses fundamentais da teoria marxista, esclareceu as questões da defesa do país, elaborou o plano da construção dos socialismo, fundamentou os princípios da política externa do Estado Soviético e considerou os problemas do movimento mundial.

Lénine. V. I. "Obras escolhidas em três tomos". Vol. 1. Lisboa: Edições Avante, 1981. Ref: 2 C

A presente edição das Obras escolhidas de Vladímir Ilitch Lenine em três tomos corresponde à edição russa de 1970, preparada pelo Instituto de Marxismo-Leninismo.

Lénine. V. I. "Obras escolhidas em três tomos". Vol. 2. Lisboa: Edições Avante, 1981. Ref: 2 C

O Segundo tomo compreende obras escritas entre Março de 1917 e Novembro de 1918. Nestas obras V. I. Lénine elabora a estratégia e a tática do Partido Comunista na luta para transformar a revolução democrática burguesa em revolução socialista, na luta pela vitória da Grande Revolução Socialista de Outubro, pela instauração e consolidação da ditadura do proletariado, no primeiro período do Poder Soviético.

Cortázar, Julio. "Nicarágua tão violentamente doce". São Paulo: Brasiliense, 1987. Ref: 3 C

Nestas páginas, ao mesmo tempo precisas e poéticas, o grande escritor argentino mostra como, ao conviver com a luta de uma pequena nação contra o imperialismo norte-americano, aprendeu a amar o povo e o país.

Löwy, Michael. (org) "O Marxismo na América Latina: uma antologia de 1909 aos dias atuais". Tradução de Cláudia Schilling, Luís Carlos Borges. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999. Ref: 5 C

Esta antologia reúne documentos, ensaios, artigos, resoluções de partidos e de outras organizações que reconstroem a evolução histórica do marxismo na América Latina, desde o começo do século XX até os anos 90.

Castro, Fidel. "A história me absolverá". Fortaleza: Editora Inverta, 1993. Ref: 6 C

Esta é uma obra de suma importância porque sintetiza o programa da Revolução Cubana. Trata-se de um texto ético, por propor a criação de uma sociedade sem explorados e exploradores e também com profunda dimensão política, onde Fidel, desde a sua indignação revolucionária, lança as sementes preparadas por José Martí que deram como fruto a Revolução Cubana.

Harnecker, Marta; Gabriela, Uribe. "Capitalismo e Socialismo". São Paulo: Global Editora, 1980. Ref: 7 C

Este caderno estuda as contradições internas do sistema capitalista, que ao agudizarem-se criam as condições materiais e sociais da sua destruição.

Morais, Fernando. "A ilha: um repórter brasileiro no país de Fidel Castro". São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1980.

Quando a Ditadura Batista foi destruída pelo povo cubano, os olhos da América Latina se voltaram, com perplexidade e surpresa, para uma pequena ilha do mar das Caraíbas. José Martí havia escrito: Para que somos homens, senão para olhar cara a cara a verdade? O povo cubano voltou-se para si mesmo, procurando descobrir a medida de sua possível liberdade e procurando equacionar os caminhos de sua necessária emancipação.

Galeano, Eduardo. "De pernas pro ar: a escola do mundo ao avesso". Porto Alegre: L&PM, 1999. Ref: 18 F

Há cento e trinta anos, depois de visitar o País das Maravilhas, Alice entrou num espelho para descobrir o mundo ao avesso. Se Alice renascesse em nossos dias, não precisaria atravessar nenhum espelho: bastaria que chegasse à janela. No fim do milênio, o mundo ao avesso está à visita de todos; o mundo tal qual é, com a esquerda na direita, o umbigo nas costas e a cabeça nos pés.

Marçal, João Batista. "Memória Histórica dos socialistas gaúchos". Porto Alegre: 1987. Ref: 4 D

A história do movimento operário no Rio Grande do Sul tem sido a paixão deste jornalista rebelde chamado João Batista Marçal desde muitos anos. Sabedor de que a emancipação da classe trabalhadora depende em grande parte de sua consciência como classe com interesses próprios, Marçal tem pesquisado pacientemente a história dos movimentos sociais e políticos que representam a memória do movimento, memória sem a qual a classe operária se torna presa fácil dos dominadores populistas, os quais querem precisamente esconder o fato de que a emancipação dos trabalhadores é obra deles próprios.

Akhavan, Dr. Dariush. 'Análise de custo-efetividade do projeto de controle da malária na Bacia Amazônica". Brasília: Representação do Brasil, 1996.

O propósito deste estudo foi a realização de uma análise de custo-efetividade e custo-benefício do Projeto de Controle da Malária na Bacia Amazônica (PCMAM) no Brasil. O período em questão era de 1988 a 1996. Os custos, efetividade geral, e benefícios totais foram analisados de forma agregada para o PCMAM e as atividades regulares de controle de malária na Fundação Nacional de Saúde.

Cano, Wilson; Martins, José; Singer, Paul; Paulino, Luís; Mazzeo, Antônio C; Antunes, Ricardo; Gianotti, Vitto; Borges, Altamiro; Gomes, Marcos; Dowbor, Ladislau; Benjamin, César; Fernandes, Luís; Arantes, Aldo; Stédile, João Pedro; Schilling, Paulo; Gomes, Wagner; Travesso, Dirceu; Martins, Jorge Luís; Sereno, Marcelo.

…Num esforço de reflexão amplo e plural, procurou-se estudar as transformações em curso no mundo e seus reflexos na luta pelos explorados. Os texto publicados apresentam alguns consensos no diagnóstico dos problemas. A chamada "globalização da economia" serviria aos interesses da oligarquia financeira mundial, destruindo a soberania dos países e anulando as conquistas dos trabalhadores. (os autores)

Filho, David Capistrano. "Da Saúde e das Cidades". São Paulo: Hucitec, 1995.

Neste livro, o medico sanitarista e prefeito de Santos, David Capistrano Filho, aborda problemas cruciais da saúde pública e da gestão dos municípios no Brasil. Participante ativo da vida política nacional, o autor procura compreender esses dois grandes temas a partir de uma defesa sagaz do teor municipalista e descentralizante da Constituição de 1988.

Brandão, Carlos Rodrigues. "De angicos a ausentes: 40 anos de educação popular". Porto Alegre: Corag, 2001.

Este livro é fruto do trabalho dos/as coordenadores/as Regionais do MOVA-RS, nas vinte e nove (29) Coordenadorias Regionais de Educação, durante dois anos de práxis do MOVA/RS.

Pont, Raul. "A estrela necessária". Porto Alegre: Veraz, 2002.

Este é um livro especial, daqueles que tem o poder de comover, inspirar e renovar energias. Um livro indispensável neste tempo em que a esquerda volta a fazer história e precisa caminhar com firmeza em direção a um outro mundo possível.

Volpato, Luiza. "Entradas e bandeiras". São Paulo: Global, 1994. Hsitória Popular, vol. 2.

Heróis da nacionalidade ou bandidos caçadores de índios? Patriarcas serenos ou miseráveis sem condições de adquirir escravos africanos? Exaltados ou condenados sumariamente, os bandeirantes poucas vezes têm recebido estudos sérios e competentes como este, escrito em linguagem simples e objetiva.

Benjamin, César; Elias, Luiz Antonio. (org) "Brasil: crise e destino, entrevistas com pensadores contemporâneos. São Paulo: Expressão Popular, 2000.

O Livro aponta a aproximação de uma crise e critica a ausência de um projeto nacional brasileiro, o que poderá, no futuro, ameaçar até mesmo a unidade nacional. (Celso Furtado)

Moura, Clóvis. "Sociologia política da guerra camponesa de Canudos: da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST. São Paulo: expressão Popular, 2000.

Da destruição de Canudos aos massacres de Corumbiara e Eldorado dos Carajás o problema não mudou. A interpretação que se pode fazer do processo de violência no campo no Brasil é que as elites agrárias para defenderem os seus privilégios centenários recorrem a todos os métodos. As estruturas de poder garantem-lhes a impunidade, com isto mantendo um aparelho terrorista que é aplicado sistematicamente contra os camponeses e os seus líderes.

Harnecker, Marta. "Fidel: a estratégia política da vitória". São Paulo: Expressão Popular, 2000.

"Que é a revolução? A revolução é um grande tronco que tem suas raízes. Essas raízes, partindo de diferentes pontos, se uniram em um tronco; o tronco começa a crescer. As raízes têm importância, mas o que cresce é o tronco de uma grande árvore, de uma árvore muito alta, cujas raízes vieram e se juntaram no tronco. O tronco é tudo o que já fizemos e que nos falta fazer e que continuaremos fazendo juntos". (Fidel)

Ospina, Hernando Calvo; Declerco, Katlijn. "Dissidentes ou mercenários: Objetivo: liquidar a revolução cubana". São Paulo: Expressão Popular, 2001.

Este livro é baseado numa série de entrevistas. Cada uma tem uma introdução muito bem documentada. O estudo desmistifica claramente a idéia de que os opositores cubanos são simples dissidentes políticos: muitos têm sido pagos por agências de inteligência estrangeiras, e muitos têm ido além do feito de expressar opiniões dissidentes: se envolveram em atividades violentas. (James Petras)

Pérez, Manolo Monereo. "Che Guevara: contribuição ao pensamento revolucionário". São Paulo: Expressão Popular, 2001.

Esta obra é um resgate da sua paixão pelas idéias, da sua inquietação intelectual a partir de uma militância e de um compromisso político indeclinável. Apresenta as idéias de Che sobre o marxismo, o que foi a revolução cubana, o que poderia ser a transição ao socialismo, os problemas colocados sobre a planificação na relação com o mercado, as debilidades do modelo soviético de então e sobre a direção que estava tomando o imperialismo norte-americano.

Maestri, Mário; Candreva, Luigi. "Antonio Gramsci: vida e obra de um comunista revolucionário". São Paulo: Expressão Popular, 2001.

"A força, a decisão e as necessidades das classes expressam-se através dos atos dos homens. Coube precisamente a Antonio Gramsci - o antigo menino, de saúde frágil e corpo deforme, tímido e introvertido - o papel de vetor de expressão da vontade subjetiva da vanguarda proletária italiana. […] Gramsci subordinou-se profundamente à história. O homem pequeno, simpático, desleixado no vestir-se, de corpo marcado pelo aleijão, foi levado, quase aos empurrões, a desempenhar papel histórico que jamais perseguira ou com ele sonhara.

Sampaio, Plinio Arruda. (org) "Desafios da luta pelo socialismo". São Paulo: Expressão Popular, 2002.

No que consiste o socialismo? Ele não tem nada de misterioso ou obscuro. Seu princípio fundamental é transparente e claro como água da cascata: os meios de produção devem pertencer à sociedade e as grandes decisões sobre investimentos, produção e distribuição não devem ser abandonadas às leis cegas do mercado, a um punhado de exploradores, ou a uma camarilha burocrática, mas tomadas, depois de um amplo e pluralista debate democrático, pelo conjunto da população. Nada mais simples, mas exige, para ser realizado, uma verdadeira revolução, a supressão do sistema capitalista e do poder das classes dominantes... (Michael Löwy)

Harnecker, Marta. "Os desafios da esquerda latino-americana". São Paulo: Expressão Popular, 2002.

A esquerda latino-americana passa por um processo de transformação. Durante este século assou por várias experiências históricas. No início teve a influência anarquista e se apegou ao nascente movimento operário.

Henfil. "Henfil nas Eleições". Rio de Janeiro: Ibase, 1994. Ref: 33 B.

Livreto que contém charges do cartunista Henfil.

Genro, Tarso; Souza, Ubiratan de. ""Orçamento Participativo: a experiência de Porto Alegre". Porto Alegre: Editora Fundação Perseu Abramo, 1997. Ref: 34 B

A experiência do Orçamento Participativo em Porto Alegre, merece ser conhecida e divulgada. Na verdade, apresentou a criação de um novo centro decisório que, juntamente com o Poder Executivo e o Legislativo, democratizou efetivamente a ação política e integrou os cidadãos comuns num novo "espaço público". Um espaço público não tradicional, que potencializou o exercício dos direitos da cidadania e instigou os cidadãos a serem mais exigentes e mais críticos.

Grossi, Yone de Souza. "Mina de Morro Velho: a extração do homem". Minas Gerais: CPV, 1990. Ref: 35 B

Este texto situa-se na perspectiva de resgate da experiência dos mineiros da Morro Velho, no sentido do estudo e do aprendizado com o passado. A Mina de Morro Velho, localizada em Nova Lima - MG, foi fundada em 1830 sob o domínio do capital inglês.

Sant' anna, Affonso Romano de; Lent, Carmen Felicitas; Rodrigué, Emílio; Souza, Herbert de; Falcão, Joaquim; Oliveira, Miguel Darcy de; Unger, Nancy Mangabeira; Oliveira, Rosiska Darcy de; Gomes, Teresa Santa Clara; Fernandes, Rubem César. Rio de Janeiro: Diferença, 1993.

Este livro é a memória do seminário "Transformação", realizado pelo GEA, Grupo de Estudos Avançados dos IDAC.

Chomsky, Noam. "Os caminhos do Poder: reflexões sobre a natureza humana e a ordem social". Porto Alegre: ArtMed, 1998. Ref: 37 B

Neste livro, Chomsky apresenta uma crítica contundente das visões ortodoxas e da política de governos, bem como esboça outros caminhos que podem levar à melhor compreensão e a uma ação mais construtiva. O autor levanta a cortina de distorções que encobre os trabalhos de história e política social, revelando como a "nova" ordem mundial é um pouco mais do que o remarketing da mesma antiga desordem.

Chomsky, Noam. "A luta de classes". Porto Alegre: ArtMed, 1999. Ref: 38 B

Através de um fascinante diálogo com o colaborador de longa data e companheiro ativista David barsamian, Noam Chomsky explora a crescente crise e as disputas econômicas e sociais, argumentando que, agora, a discussão da guerra entre as classes é um discurso político aceitável.

José, Emiliano; Miranda, Oldack. "Lamarca: o capitão da guerrilha". São Paulo: Global Editora, 1989. Ref: 39 B

Este livro realiza um mergulho no poço negro do horror fascista e ajuda a compreender por que a luta pela anistia ampla, geral e irrestrita, pela punição dos torturadores e desmantelamento dos órgãos repressivos não pode ser interrompida: no livro estão os nomes de muitos dos responsáveis pelos crimes e que hoje circulam com liberdade em postos oficiais.

Projeto Sem Fronteiras. "O canto das Américas: América Negra I". São Paulo: CPV, 1988. Ref: 40 B

Em sua forma original ou mesclados com outras culturas, os ritmos negros estão presentes em todo continente americano.

Projeto Sem Fronteiras. "O canto das Américas: Canto de Resistência II". São Paulo: CPV, 1989. Ref: 40 B

É muito difícil definir o que é Canto de Resistência. Ao mesmo tempo, não se pode falar em Movimento Nova Canção, como algo homogêneo que se deu na mesma época, em vários países, no mesmo momento.

Projeto Sem Fronteiras. "O canto das Américas: Canto de Resistência I". São Paulo: CPV, 1988. Ref: 40 B

Coletânea de canções que representavam toda a inquietação, sobretudo da juventude, frente a realidade carregada de injustiças sociais, de falta de liberdade em todos os sentidos.

Almeida, Maria de. (org) "História Política do Brasil 1960 - 94. São Paulo: Consulta Popular, 1999. 2º Ed. Ref: 42 B

Cronologia resumida dos principais fatos e das organizações partidárias.

Bresciani, Luís Paulo; Filho, Flávio Antonello Benites. "Negociações tripartites na Itália e no Brasil". São Paulo: LTR, 1995. Ref: 43 B

Esta obra traz a público experiências concretas de contratação entre trabalhadores, empresários e governos nestes dois países. Os autores se dedicam ao exame do sistema de relações de trabalho no Brasil, apontando seus limites e traçando parâmetros para a transição do corporativismo rumo à liberdade e autonomia sindical.

Fernandes, Rubem César. "Privado porém público: o terceiro setor na América Latina". Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994. Ref: 44 B

Iniciativas privadas que não visam lucro; iniciativas na esfera pública que não são feitas pelo Estado. Nem empresa nem governo, mas sim cidadãos participando, de modo espontâneo e voluntário, em um sem-número de ações que visam ao interesse comum.

Minc, Carlos. "Despoluindo a política: um olhar alternativo". Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

Este livro reúne uma seleção de artigos publicados pelo autor, em diversos órgãos de imprensa. Desde o título percebe-se a intenção que os orienta: um olhar alternativo sobre o poder e o cotidiano, passando por temas que vão da ecologia à economia, da violência ao machismo, da fome à impunidade - entre outros.

Pereira, André. "Histórias do abastecimento de água em Porto Alegre". Porto Alegre: DMAE, 1991.

Esta obra é uma viagem bem humorada através do tempo e do cotidiano de uma cidade, revelando suas pequenas e grandes ambições, seu burburinho, sua disfarçada poesia.

Sindicato dos Bancários de SP. Paramos São Paulo, sacou? São Paulo: Sindicato dos Bancários de SP, 1986. Ref: 47 B

Esta publicação relata a greve dos bancários ocorrida em setembro de 1985. É o resultado de um esforço conjunto de reflexão e de avaliação feito pelos principais protagonistas do movimento: os trabalhadores bancários, tanto da base quanto da direção do Sindicato.

Política externa. Vol. 5, nº3. São Paulo: Paz e Terra, 1996-1997.

Coletânea de artigos.

Carrion, Raul K. M; Vizentini, Paulo G. Fagundes. (org) "Globalização, neoliberalismo, privatizações: quem decide o jogo? Porto Alegre: Editora da Universidade, 1997. Ref: 49 B (2 exemplares)

Este livro tem origem no seminário internacional do qual herdou o nome, realizado em julho de 1997, em Porto Alegre, na Universidade federal do Rio Grande do Sul. Os ensaios aqui reunidos foram elaborados pelos especialistas que dele participaram, e são, portanto, uma síntese das ricas discussões travadas.

Biondi, Aloysio. "O Brasil privatizado: um balanço do desmonte do Estado". São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1996. Ref: 52 B

Indignação. Taçvez seja o primeiro sentimento que nos aflora após a leitura do excelente livro de Aloysio Biondi. Conhecer a forma com que o patrimônio público foi entregue equivale a ter sua casa assaltada e encontrar, no lugar de seus bens, um bilhete do ladrão comentando a facilidade que teve ao realizar o "serviço". Fenae

Biondi, Aloysio. "O Brasil privatizado II: o assalto das privatizações continua". São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1996. Ref: 53 B

O Segundo livro de Biondi sobre o tema privatizações aprofunda a discussão e mostra outros aspectos da entrega de setores estratégicos para a iniciativa privada.

Morais, José Luis Bolzan de. "A subjetividade do tempo: uma perspectiva transdisciplinar do Direito e da Democracia". Santa Cruz do Sul: Edunisc, 1998.

"O tempo, e suas dimensões, se apresenta como elemento central de nossas existências. Seja como demarcador de datas, seja como limite biológico, seja, ainda, como organizador do nosso cotidiano. É neste sentido que nos apropriamos dele para intentarmos uma discussão que considere a importância de seu domínio para a construção de uma sociedade que se caracterize pela possibilidade de montagem de um espaço democrático." (o autor)

Bobbio, Norberto. "O positivismo jurídico: lições de Filosofia do Direito". São Paulo: Ícone, 1995. Ref: 55 B

Esta obra oferece a oportunidade de estudar 9 na parte I) a formação histórica de algumas idéias fundamentais sobre o direito que dominaram o mundo jurídico do século passado, e de abordar (na parte II) os pontos-chave da teoria e da Filosofia do Direito.

Muraro, Rose Marie. "Os seis meses em que fui homem". Rio de Janeiro: 5º ed. Rosa dos Tempos, 1993.

A autora foi uma das mulheres que mais lutou no Brasil neste século pela construção de uma identidade feminina. Esta experiência tornou sua visão do mundo masculino totalmente inesperada, fazendo de sua aventura uma das mais fantásticas que a vida possa ter proporcionado a uma mulher.

Negri, Alair. "Mulher e Terra". São Paulo: Oficinas da Sociedade Impressora Pannartz Ltda, 1985.

"Mulher e Terra" - Dois mundos que se confundem e se completam, gerando um novo universo, em que a poesia emerge majestosa, prenhe de vigor beleza. Alair Negri consegue captar a energia criadora, transfigurando-a poeticamente através do amor, explícito no sensível da realidade e no intangível do espiritual.

Fernandes, Emília. "Mulher: conquistar o poder para garantir direitos". Brasília: Secretaria Especial de Editoração e Publicações, 2002. (4 exemplares)

São parlamentares com excelente trânsito nas inversas correntes políticas, cuja facilidade é interpretar o pensamento da maioria, que os credencia a ordenar e criar as condições para consenso. Encarregam-se de difundir e sustentar as decisões ou intenções dos formadores de opinião, formando uma massa de apoio à iniciativa dos dirigentes dos grupos políticos a que pertencem. Têm alto grau de fidelidade às diretrizes partidárias ou ideológicas do grupo político que integram. (Organizadores)

CNB/CUT. "Dez anos de lutes, conquistas e sonhos". São Paulo: Confederação Nacional dos Bancários, 2002.

Os bancários marcaram presença na história das lutas sociais do Brasil ao longo de todo o século XX. Desde as primeiras décadas, os bancários foram pioneiros em greves, reivindicações, organização de entidades sindicais e de outras formas de associação vinculadas a seus interesses. A CNB criou um paradigma de organização na CUT e tornou-se referência internacional perante os bancários de todo o mundo.

Schumaher, Shuma; Brazil, Érico Vital. (org) "Dicionário Mulheres do Brasil: de 1500 até a atualidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

Com cerca de 900 verbetes e mais de 270 ilustrações, este Dicionário Mulheres do Brasil torna-se, a partir de agora, referência obrigatória para o estudo da história brasileira. De Abigail Andrade a Zuzu Angel - passando por Bertha Lutz, Clarice Lispector, Escrava Anastácia, Princesa Leopoldina e inúmeras mulheres até então atrás dos panos -, são aqui resgatados 500 anos de luta e conquista de direitos.

Suaréz, Mireya; Teixeira, Marlene; Cleaver, Ana Julieta Teodoro. "Gestão local e desigualdades de gênero". Brasília: Agende, 2002.

A abordagem da questão da igualdade entre homens e mulheres iniciou-se no século XIX, e marcou a discussão sobre a democracia ao longo de todo o século XX, trazendo como resultado avanços importantes no cenário social, político e cultural do Brasil. Porém, apesar da maior participação das mulheres na esfera pública constituir-se em conquista indiscutível, a incorporação da perspectiva de gênero na gestão governamental ainda ocorre de maneira tímida e esporádica.

Laufer, Daniéle. "A arte de viver sozinha". Tradução de Denise Range Barreto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

A cada dia vemos aumentar o número de mulheres que vivem sozinhas, seja porque chegaram ao final de uma relação, seja por mera opção de vida. Independente do motivo que possa levar a essa decisão, é certo que ela traz junto uma série de dificuldades de ordem prática, ou mesmo afetiva, próprias de quem vive pela primeira vez uma situação.

Brasil. Canadá. Fundo de Gênero. "Gênero no mundo do trabalho". Brasília: Ellus, 2000. Ref: 17 E

Esta publicação reúne experiências e os resultados obtidos pelas entidades parceiras da Agência Canadense para o desenvolvimento Internacional - CIDA, apresentados e debatidos durante o I Encontro de Intercâmbio de Experiências do Fundo para eqüidade de Gênero no Brasil, realizado em Campinas, estado de São Paulo, nos dias 26 e 27 de agosto de 1999.

Segnini, Liliana. "Mulheres no trabalho bancário". São Paulo: Edusp, 1998. Ref: 17 E

O sistema bancário é hoje considerado um "gueto de emprego feminino". Tratar-se-ia de uma conquista social das mulheres na busca de oportunidades iguais às dos homens? Também; mas não só. No processo de mudanças sociais e econômicas observadas nas últimas décadas no mundo do trabalho, destaca-se a crescente e intensa participação da mulher, sobretudo no setor terciário da economia.

Gonçalves, Ana Maria. "Violência contra mulheres: relatos dramáticos de fatos verídicos. Santo Ângelo: Gráfica Santo Ângelo, 1998. Ref; 15 E

Mulheres de todas as classes sociais, de todas as raças, de todas as idades, no mundo inteiro, sempre foram vítimas de discriminação e violência, expressas ou veladas. Denunciar, ou simplesmente falar a respeito é nosso dever como cidadãos. Não só para tentarmos acabar com essa vergonha, como também conscientizarmos as pessoas da necessidade de maior compreensão e respeito entre si. (Ana Maria Fernandes - delegada de Polícia)

Gregori, Maria Filomena. "Cenas e Queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista'. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. Ref: 16 E

As cenas a que se refere o título deste livro são as da chamada guerra conjugal: agressão e espancamento de mulheres por seus maridos. O discurso queixoso das vítimas, assim como a trajetória de uma entidade feminista de apoio e conscientização, são analisados pela autora.

"Medidas Vitais". Unicef; UNESCO; OMS; FNUAP. Ref: 18 E

Revista especializada na divulgação de artigos sobre saúde.

Kramer, Heinrich; Sprenger, James. "O martelo das feiticeiras". Introdução histórica de Rose Marie Muraro. Prefácio de Carlos Byington. Tradução de Paulo Fróes. Rio de Janeiro :Rosa dos Tempos. 10ª ed., 1993.

O Martelo das Feiticeiras (Malleus Maleficarum) é um dos livros mais importantes da cultura ocidental, tanto para os leitores que se interessam pela história quanto para aqueles que estudam a história do pensamento e das leis. Documento fundamental do pensamento pré-cartesiano, bem como um dos mais importantes depositórios das leis que vigoraram no estado teocrático, revela ainda as articulações concretas entre sexualidade e poder, e por isso é uma peça única para todos aqueles que estudam a profundidade da psique humana e o funcionamento das sociedades.

Studart, Heloneida. "Mulher objeto de cama e mesa". São Paulo: Vozes, 10ª ed.,1974. Ref 12 E

O mundo não é nenhuma máquina de precisão, em que cada parte age no todo de maneira determinada, única, perpétua, imutável. A nova ciência exige uma nova cosmovisão, na qual cada fenômeno se estrutura num conjunto de relações onde tudo interage, tudo influencia e sofre influência, nada é estático nem constituído uma vez por todas. Esta coleção pretende oferecer ao leitor esta nova visão adequada ao nosso tempo.

Konder, Leandro. "Flora Tristan: uma vida de mulher, uma paixão socialista". Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994. Ref: 11 E

Flora Tristan foi uma mulher apaixonada e apaixonante. Descendente de uma família peruana, ela viveu na França na primeira metade do século passado e teve a intuição genial de que as lutas pela emancipação das mulheres e os combates do movimento operário eram interdependentes.

Rendall, Margaret. "As mulheres…da Nicarágua". São Paulo: Global, 1982. Ref: 10 E

"Estamos todas despertas". Com este texto, Margaret Randall traz ao conhecimento do público a participação direta das mulheres da Nicarágua na luta de seu povo para arrancar o poder das mãos de Somoza e do somozismo, empreender a reconstrução do país e a formação de uma nova sociedade.

Oliveira, Fátima. "Oficinas: mulher negra e saúde manual". Belo Horizonte: Mazza, 1998. Ref: 9 E

…Este livro recupera uma parte da história das mulheres brasileiras pelos seus direitos, em especial a luta das mulheres negras e suas necessidades específicas na área da saúde.

FEEB/RS. "Retrato da mulher bancária: trabalho, família e cidadania. Porto Alegre: FEEB/RS, 1990. Ref: 8 E (4 exemplares)

O interesse no estudo das condições de trabalho e vida da mulher bancária no Rio Grande do Sul o correu por ocasião da realização da pesquisa: "Bancário, trabalho, vida e organização, publicada em 1988, pela FEEB/RS. Durante aquele estudo houve acesso a uma série de depoimentos femininos que denunciavam problemas como a discriminação na carreira, a preocupação para com os filhos, dentre outros.As informações apresentadas neste trabalho não pretendem esgotar o assunto, têm por objetivo principal levantar elementos que venham a contribuir para as discussões da própria mulher bancária a respeito de sua trajetória trabalho-vida.

CFEMEA. "Discriminação positiva ações afirmativas: em busca da igualdade". São Paulo: CFEMEA/Elas, 1996. Ref: 7 E

Publicação elaborada pelo Centro Feminista de Estudos e Assessoria- CFEMEA, com o objetivo de subsidiar a discussão de temas que dizem respeito aos direitos das mulheres.

Estés, Clarissa Pinkola. "Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem". Tradução de Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco. 11ª ed., 1997. Ref: 6 E

"Os lobos sempre rondaram o universo da psicóloga junguiana Clarissa Pinkola Estes, em sonhos ou mesmo na vida real. Ao estudar estes animais, ela observou várias semelhanças entre a loba e a mulher, principalmente no que se refere à dedicação aos filhos, ao companheiro e ao grupo. Ao longo do desenvolvimento da civilização, porém, esses instintos mais naturais 0 a que ela dá o nome de mulher selvagem - foram sendo domesticados, sufocando todo o potencial criativo da alma feminina.

Muraro, Rose Marie. "Sexualidade da mulher brasileira: corpo e classe social no Brasil". Rio de Janeiro: Vozes. 2ª ed., 1983. Ref: 5 E

Aqui se tentou uma abordagem com a finalidade de se captar a sexualidade em seus níveis mais radicais. Este estudo abordou a sexualidade não a partir dela mesma, mas da realidade que a cerca.

SOS - Corpo recife. "Como evitar filhos". Rio De Janeiro: Marco Zero, 1983. Ref: 4 E

Este é um trabalho coletivo, escrito a muitas mãos e discutido por todas as mulheres que constituem o grupo de trabalho. É um livro de mulheres para mulheres e até homens que se interessem pelo assunto.

"Hoje eu não faço nada". São Paulo: Reconstrução, 1989. Ref: 3 E

Companheira de todas as horas, a mulher nos últimos anos vem modificando e vendo ser modificada a sua situação e as suas relações no âmbito social, no mercado de trabalho, na família, nas relações afetivas e na sua inserção nos Movimentos Sociais.

CAMP. "Estão mexendo em nossos direitos". São Paulo: 1995.

Os primeiros cinco meses de governo FHC já demonstraram que não foi apenas um candidato que venceu as penúltimas eleições presidenciais no Brasil. A vitória eleitoral de um projeto de governo integrado aos novos paradigmas do mundo capitalista ocidental está se desenvolvendo de forma bastante acelerada (segundo um analista inglês, o governo FHC implementará as reformas do Estado que levaram 16 anos na Inglaterra, em quatro anos no Brasil).

"Diagnóstico da formação profissional: ramo metalúrgico". São Paulo: Artchip, 1999.

Este livro se insere no esforço de conhecimento crítico da realidade como pressuposto para uma ação sindical de qualidade. Num trabalho competente da UNITRABALHO, traça-se um diagnóstico o mais amplo possível da formação profissional no Brasil, analisando-se as iniciativas públicas, patronais e de sindicatos.

Lopes, José Carlos Cacau. "A voz do dono e o dono da voz: trabalho, saúde e cidadania no cotidiano fabril". São Paulo: Hucitec, 2000.

O livro é um tratado erudito sobre o trabalho. Um estudo teórico em que foram examinadas com olhar crítico as principais concepções sobre o tema. A grande contribuição refere-se ao desafio que ele assumiu de identificar de modo que os Sujeitos poderiam ser incorporados em um referencial marxista clássico.

Xavier, Ernani Teixeira. "Um minuto de silêncio: réquiem aos bancários mortos no trabalho". Porto Alegre: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, 1998.

Este livro é uma consistente abordagem da situação vivida pela categoria bancária. Partindo da realidade dos bancários, mostra que a "economia canibal" do "mercado ilimitado" está afetando a saúde dos trabalhadores, privando-os das mínimas condições de cidadania.

Giannotti, Vito; Neto, Sebastião. CUT - Central Única dos Trabalhadores: por dentro e por fora. Srio de Janeiro: Vozes, 1990.

Até a fundação da CUT o movimento sindical vivia totalmente dividido e atomizado. Hoje o Brasil engrossa a lista de países que têm um movimento operário organizado em sindicatos e até em centrais sindicais.

Cardoso, Célia Moro; Maria, Mariza Schumacher Santa. "A saúde do trabalhador bancário: um estudo exploratório sobre a necessidade do psicólogo do trabalho nos SESMTs. Porto Alegre: FEEB/RS.

Este trabalho, desenvolvido dentro de uma federação de sindicatos bancários, visa estudar o funcionamento de alguns SESMTs (Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho), como é tratada a saúde mental nesses serviços e o papel que o psicólogo do trabalho poderia desempenhar dentro dele.

Sousa, Pompeu de. "Bilhetinhos a Jânio". Brasília, 1987. Ref: D 16

esta publicação é o resultado de uma perseverante, obsessiva admiração juvenil do jornalista João Emílio Falcão, atual presidente do Comitê de Imprensa do Senado.

Barnet, Richard J; Müller, Ronald. "Poder Global". Tradução de Rui Jungmann. São Paulo: Círculo do Livro.

O tema deste livro é tanto global quanto controverso. Empresas globais operam em toda a parte. Cruzam fronteiras de disciplinas acadêmicas com a mesma facilidade com que transpõe fronteiras nacionais. Qualquer tentativa séria para compreender o que fazem, ou significado do que fazem, implica incursões pela política, sociologia e psicologia, e não apenas economia. Porque são ousadas, poderosas e novas provocam calorosas opiniões, de todos os matizes. Chegamos à nossa após selecionar uma grande massa de material amplamente disperso.

Donghi, Halperin. "História da América Latina". São Paulo: Círculo do Livro.

Uma história da América Latina, da independência até hoje, é um tema repleto de problemas. A própria unidade da América Latina é problemática; a extrema variedade da realidade latino-americana é o que primeiro salta à vista do observador estrangeiro.

Claret, Martin. "O fenômeno Collor". São Paulo: Martin Claret, 1989. Ref: 15 D

Livro que retrata a trajetória de Fernando Collor, anterior ao impeachment.

Aguinis, Marcos. "A saga do marrano". Tradução de Hugueta Sendacz. São Paulo, Scritta, 1996. Ref: 17 D

Um romance histórico sobre a intolerância e a fé. Uma emocionante narrativa da perseguição aos judeus na América Latina nos séculos XVI e XVII, numa época dominada pela inquisição, pelo fanatismo e pela cobiça.

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. "Assassinatos no campo: crime e impunidade". São Paulo: Global Editora, 1987. Ref: 14 D

O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra apresenta através desse dossiê, a relação de trabalhadores rurais assassinados por conflito de terra, nos anos de 1964 a 1986.

Chagas, Carlos. "A Guerra das estrelas: os bastidores das sucessões presidenciais". Porto Alegre: L&PM, 1985. Ref: 13 D

Neste livro é resgatada a memória de um tempo escuro, onde generais tramavam na sombra, "escolhendo" presidentes num processo que geralmente se transformava numa verdadeira "guerra de estrelas gemadas". Guerra esta em que a opinião pública não só opinava, como também não tinha acesso às informações mais elementares

Reed, John. "Os dez dias que abalaram o mundo". São Paulo: Círculo do Livro, 1985. 11 D

Esta obra traça um quadro exato e extraordinariamente vivo dos acontecimentos que tão grande importância tiveram para a compreensão da Revolução Proletária e da Ditadura do Proletariado.

Amazonas, João; Loureiro, Isabel Maria, Gorender, Jacob; Coggiola, Osvaldo; Neto, José Paulo; Sorrentino, Walter; Coutinho, Carlos Nelson; Carvalho, José Reinaldo; Machado, João; Joffily, Bernardo. "O significado da revolução socialista de 1917. São Paulo, Centro de Estudos Sindicais, 1998. Ref: 9 D

A Revolução Russa marcou o início do século XX ao inaugurar o primeiro regime dos trabalhadores na história da humanidade. Fruto do esforço de homens e mulheres que dedicaram suas vidas à luta pelo domínio das forças da história, ousando empunhar a bandeira da emancipação do homem e de uma sociedade sem explorados e exploradores, a revolução russa, obra do povo russo, apaixonou os povos de todo o mundo e alimentou conquistas em todas as partes, por todo o século.

Hobsbawm, Eric. "Era dos extremos". Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. Ref: 8 D

Aos 77 anos, Eric Hobsbawm, um dos maiores historiadores da atualidade, dá seu testemunho sobre o século XX. "Meu tempo de vida coincide com a maior parte da época de que trata este livro", diz ele na abertura, "por isso até agora me abstive de falar sobre ele". Agora, porém, neste livro fascinante, ele abandona seu silêncio voluntário para contar, em linguagem simples e envolvente, a história da "era das ilusões perdidas".

Lopez, Luiz Roberto. "História do século XX". Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985. Ref: 7 D (3 exemplares)

A história do século XX é, para os que a suportaram e para os que a fizeram, a história do fim da idade moderna européia e de sua substituição pela história planetária. Este livro é uma narrativa simples, mas não superficial, do processo que vai da decadência da Europa branca, industrial, mercantil, capitalista e imperialista dos inícios do século até a II Guerra Mundial.

Oliveira, Eliézer Rizzo de. "De Geisel a Collor: forças armadas, transição e democracia". São Paulo: Papirus, 1994. Ref: 6 D

este livro é dedicado às relações entre o aparelho militar e o sistema político brasileiro, recobrindo vinte anos da história política recente. É bastante evidente o grau de dificuldade que o tempo histórico assim tão presente acarreta. Talvez, nos próximos anos, arquivos de instituições e atores políticos venham a abrir-se, possibilitando luzes novas sobre as questões nele abordadas. (o autor)

Schuh, Flávio Benício. "santa Cruz do Sul: Estado Novo e Maçonaria". Porto Alegre: Loja Azul, 1994. Ref: 5 D

O autor procura situar a importância da maçonaria no desenvolvimento de Santa Cruz do Sul. O livro trará a você, caro leitor, uma introdução para descrever a maçonaria de SCS do estado Novo aos anos 70 sem relatar situações fantasiosas e tão pouco ensinar a arte real.

"Os Símbolos Nacionais". Brasília: Presidência da República, 1986. Ref: 2 D

Edição comemorativa do 165º ano da Independência da República.

DIAP. (org) "Quem foi quem na Constituinte: nas questões de interesse dos trabalhadores. São Paulo: Cortez: Oboré, 1988. Ref: 1 D

Publicação que registra a atuação de cada um dos 573 parlamentares durante o processo de elaboração da Constituição de 1988.

Schneider, Elenor José. "Fragmentos de vida". Santa Cruz do Sul: Edunisc, 1999. Ref: 17 F

A Universidade de Santa Cruz do Sul, para comemorar os 150 anos de colonização alemã em Santa Cruz do Sul, programou e promoveu, ao longo de 1999, uma série de eventos culturais extensivos a toda a região. Um dos mais importantes foi realizado em conjunto com o Departamento de Letras e Comunicação Social e propôs a produção de histórias relacionadas à vida, ao trabalho, à cultura dos ancestrais alemães na região. As histórias vêm apresentadas obedecendo à ordem alfabética do sobrenome dos participantes escolhidos para esta publicação.

Vasques, Edgar. (apres) "Humores nunca dantes navegados". Porto Alegre: Secretaria de Estado da Cultura do Rio Grande do Sul, 2000.

Ainda não foi esclarecido o motivo, mas existe o fato: a região do Brasil que teve menos vagar para as artes e menos motivos de riso _ o Rio Grande gastou em lutas de fronteira, revoluções e guerras civis uns bons três quartos de sua história _ produz, há algumas gerações, o grafismo mais coeso e constante em qualidade e renovação do País.

Souza, Giane Maria. "Encarte". 1998. Ref: 16 F

Poesias

Fenae. "II Congresso Nacional de Literatura da Fenae". São Paulo: Petry, 1997. (2 exemplares) Ref: 15 F

Contos, crônicas e poesias.

Kolontai, Alexandra. "A nova mulher e a moral sexual". São Paulo: Expressão Popular, 2000.

O amor-camaradagem é o ideal necessário ao proletariado nos períodos difíceis de grandes responsabilidades, nas quais luta para o estabelecimento de sua ditadura ou para fortalecer sua continuidade. Entretanto, quando o proletariado triunfar totalmente e for de fato uma sociedade constituída, o amor apresentar-se-á de forma completamente distinta, adquirirá um aspecto totalmente desconhecido até agora pelos homens. (a autora)

Ministério do Trabalho, Secretaria de Promoção Social. "Trabalho e Literatura: contos selecionados". Brasília: Mtb, 1986. Ref: 14 F

A seleção dos quinze contos que ilustram a presente edição, entre numerosos outros de inegável mérito, foi, por isso mesmo, uma tarefa por mais ingente que, em boa hora, transferimos para o sábio julgamento do Sindicato dos Escritores de Brasília, a quem expressamos o nosso agradecimento.

Pujol, Julio. "Fardado na chuva". Porto Alegre: Feeb-RS, 1995. Ref: 13 F

Poesias.

Pes, João Hélio. "Das ruínas". Porto Alegre: Editorialance, 1993. Ref: 12 F

Poesias.

Pes. João Hélio. "Versos proletários". Porto Alegre: Editorialance, 1990. Ref: 11 F (2 exemplares)

Poesias.

Reis, Rubia Z. "Viagens". 1997. Ref: 8 F

Poesias.

Kern, Flávio. "Fly". Porto Alegre: Tchê, 1995. Ref: 6F (2 exemplares)

Poesias.

Nacional Associação Cultural e Social. "Concurso Nacional de Poesias: 94". Rio de Janeiro: Central de Textos Consultoria Editorial Ltda,

Poesias.

Hardy, Francisco. "Kazukuta: crônicas do terceiro mundo". São Paulo: Livramento, 1979. Ref: 4 F

Os relatos alinhavados nesta obra são frutos das terceiromundistas andanças do autor, vivências, e mesmo esperanças - pois que não pretendem a imparcialidade da distância. É muito fácil sentir o calor de suas crônicas - pois ele as viveu, vive, e torce ardorosamente por todos nós, oprimidos.

Kipper, Maria Hoppe. (org) "Unisc: uma trajetória e muitas lembranças. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2001.

Coletânea de crônicas sobre a Universidade de Santa Cruz do Sul.

Vicente, Gil. "Três autos: da alma, da barca do inferno, de Mofina Mendes". Rio de Janeiro: Ediouro, 1997. Ref: 3 F

Gil Vicente é considerado pelos estudiosos o fundador do teatro literário em língua portuguesa. O teatro de Gil Vicente representa uma transição entre a rígida religiosidade medieval, em que Deus é o centro de tudo e o humanismo do Renscimento.

Andrade, Cândido Teobaldo de Souza. "Como administrar reuniões". São Paulo: Loyola, 1995. Ref: 1 F

Anjos, Augusto dos. "Eu e outras poesias". Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1912.

"Banco de Talentos. São Paulo: Febraban, 2000.

"O Banco de Talentos" vem identificando e divulgando os trabalhos artísticos de funcionários de bancos.

Gabeira, Fernando. "O que é isso companheiro?". Rio de Janeiro: Jaguar, 1980.

Este livro foi escrito com a maestria de um experimentado romancista, um escritor de palavras precisas e adjetivos exatos...

Weiss, Heinz. "Assim é a vida…" Santa Cruz do Sul, 1999.

Contos.

González, Horacio. "Guerra e Paz: a revolução russa". São Paulo: Moderna, 1986.

Em que condições vivia a Rússia sob o império do Czar? Como as idéias de Marx e Engels penetraram naquela sociedade? Quem eram os mencheviques e o que pretendia Kerênski? E os bolcheviques? Como surgiu e se solidificou a liderança de Lênin? Até que ponto a Primeira Guerra Mundial enfraqueceu econômica e politicamente as potências européias, facilitando a vitória dos bolcheviques? Horácio González, escritor argentino, autor de instigantes ensaios históricos e culturais, repensou esse momento de ruptura que mudou o equilíbrio dos poderes que controlavam o mundo e o apresenta aqui com a força que o tema merece.

Kaercher, Nestor José. "Alberto bispo de Santa Cruz". Santa Maria: Palotti, 1996.

Este livro relata um conteúdo extraordinário que revela as qualidades excepcionais de homem conhecedor das relações humanas.

Marçal, João Batista. "Comunistas Gaúchos". Porto Alegre: Tchê, 1986. Ref: 10 D

Fascinante amostra da vida de velhos e atuais revolucionários, apanhada diretamente da luta, este livro conta de maneira simples e fiel a trajetória da vanguarda operária rio-grandense.

Amado, Jorge. "Dona Flor e seus dois maridos". Rio Janeiro: Record, 2001.

Neste romance cheio de sincretismo e de metáforas, Jorge Amado expõe a luta entre o espírito e a matéria que atormenta sua personagem feminina mais famosa. O livro conta a história de uma professora de culinária, com moral acima de qualquer suspeita, que divide o leito com dois homens diametralmente opostos.

Amado, Jorge. "Mar morto". Rio de Janeiro: Record, 2001.

"Mar morto" é um dos mais populares romances de Jorge Amado. Escrito em 1936, foi traduzido para 16 idiomas e ganhou versões no rádio, nos quadrinhos e na TV.

Amado, Jorge. "Farda, fardão, camisola de dormir". Rio de Janeiro: Record, 2001.

Fábula para acender a esperança e uma sátira social cheia de ironia política. Tudo se passa em 1940. Na Europa, a França cai diante do avanço de Hitler; no Brasil, o estado Novo assume sua simpatia pelo nazi-fascismo e trancafia nas prisões os inimigos da ditadura Vargas.

Amado, Jorge. "Tenda dos Milagres". Rio de Janeiro: Record, 2001.

Publicado em 1969, traduzido para dez idiomas e adaptado para o cinema e a TV, este livro é um grito contra preconceito racial e religioso, um canto à miscigenação e ao sincretismo tão marcantes na obra do escritor Jorge Amado.

Amado, Jorge. "Gabriela, cravo e canela". São Paulo: Record, 2001.

Neste livro tudo é superlativo: o número de personagens, o sucesso da adaptação para a TV, a cobiça que a sensual Gabriela desperta nos freqüentadores do bar Vesúvio, onde, onde Nacib vende deliciosos quitutes feitos por sua cozinheira e amante. A história passa-se na Ilhéus dos anos 1920, cidade provinciana onde honra de marido traído se lava com sangue.

Amado, Jorge. "Tieta do Agreste". Rio de Janeiro: Record, 2001.

Escrito entre 1976 e 1977, Tieta do agreste é mais uma prova da força das personagens femininas da obra de Jorge Amado. O romance, traduzido para sete idiomas e adaptado para a TV e o cinema, narra a história de uma pastora de ovelhas expulsa de casa pelo pai quando ainda era adolescente.

Barreto, Lima. "Crônicas Escolhidas". São Paulo: Ática, 1995.

Coletânea de Crônicas.

Machado, Roméro C. "Afundação Roberto Marinho". Porto Alegre: Tchê, 1988. Ref: 9 F

Este livro oferece ao público e ao julgamento de toda a sociedade brasileira, talvez o título mais polêmico das últimas décadas. Num empreendimento editorial de enorme ousadia, um notável trabalho de investigação jornalística.

"Revista de Informação Legislativa". Brasília: Senado Federal, 1988. 6 G

Revista sobre a Comemoração do Centenário da Abolição da Escravatura.

"Legislação Eleitoral e Partidária". Brasília: Senado Federal, 1988. vol 1 Ref: 5 G

Legislação.

"> "Legislação Eleitoral e Partidária". Brasília: Senado Federal, 1988. vol. 2 Ref: 5 G

Instruções do TSE.

"Legislação Eleitoral e Partidária". Brasília: Senado Federal, 1989. Ref: 5 G

Eleições de 1989, Legislação e Instruções do TSE.

Rolim, Marcos. "Discursos e textos selecionados". Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, 1994. Ref: 4 G

Coletânea.

"Instituto dos Advogados do Distrito Federal: Anais". Brasília: IADF, 1988. ref: 3 G

A quarta publicação do Instituto dos Advogados do Distrito Federal, sob o título Anais, experimenta nova modalidade de periódico, bienl, ofertada aos membros da Casa e aos cultores do Direito, sem prejuízo da Revista IADF, que será reativada.

Lei Orgânica do Município de Santa Cruz do Sul. Santa Cruz do Sul, Prefeitura de Santa Cruz do Sul, 1990. Ref: 2 G

Lei Orgânica de SCS.

Constituição do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, 1989. Ref: 1 G (3 exemplares)

Constituição do Estado do Rio Grande do Sul.

Legislação Básica do SUS: 11ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

Legislação Básica do SUS.

Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales/CLACSO. "Observatorio Social de América Latina: resistencias y alternativas a la mundializacion neoliberal". Buenos Aires: CLACSO, 2001.

Revista.

Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales/CLACSO. "Observatorio Social de América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

Revista.

Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales/CLACSO. "Observatorio Social de América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

Revista.

Caixa Econômica Federal. "O folclore da Caixa": contos, por Antenor Pimenta Madeira e outros. Prefácio de Luis Fernando Veríssimo. Brasília: CEF, 1984.

Publicação dos 25 contos selecionados pela comissão julgadora do concurso: Prêmio Literatura da Caixa".

Zanatta, Humberto G; Fonseca, Orlando. "Coração ralado: crônicas". Santa Maria: A Razão, 1980.

Crônicas.

Sfat, Dina; Caballero, Mara. "Palmas pra que te quero". Rio de Janeiro: Nórdica, 1988.

Memórias da atriz Dina Sfat.

"Artistas Bancários". Curitiba: Sindicato dos Bancários, 2001.

Coletânea de textos e poesias.

Comissão de Cidadania e Direitos Humanos. "Guia do Cidadão". Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, 1992. Ref: 33 G (2 exemplares)

Guia dirigido a todos aqueles que sofrem ou sofreram algum tipo de violência ou desrespeito aos seus direitos.

"Manual dos Direitos dos Trabalhadores". Florianópolis: Agnus. Ref: 18 G

A Escola Sul da CUT publicou este manual, para que fosse um instrumento dos trabalhadores na defesa de seus direitos e ao mesmo tempo um guia para todos os profissionais que trabalham em departamentos de pessoal e escritórios de contabilidade.

"Saúde dos Bancários". Porto Alegre: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, 1993. Ref: 17 G

Guia que oferece maiores informações sobre os direitos dos bancários na área da saúde e condições de trabalho.

"Terra, meio ambiente e direitos humanos." Fazenda Anoni-RS: DNRT/CUT, 1993. Ref: 16 G

Esta cartilha contém as principais idéias que os movimentos populares, dos países pobres, vêm debatendo sobre o sistema de miséria, exploração e opressão existente nesses países e sobre a destruição do meio ambiente.

Senado Federal. "Relatório da CPI que apurou irregularidades na Administração Pública Federal". Brasília: Comissão Parlamentar de Inquérito. Ref: 15 G

Da Comissão Parlamentar de Inquérito constituída pela Resolução nº 22/88, do Senado Federal, destinada a investigar, em profundidade, as denúncias de irregularidades, inclusive corrupção, na administração pública.

Souza, Rui Barbosa de. "Código dos Direitos do Consumidor". Porto Alegre: Rigel, 1990. Ref: 13 G

Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico (vetado), e dá outras providências.

Ibase. "Violência no campo: campanha nacional pela reforma agrária". Petrópolis: Vozes, 1985. Ref; 24 G

Assembléia Legislativa do RS. "Contra a pena de morte: síntese do Seminário contra a pena de morte". Porto Alegre: Assembléia Legislativa do RS, 1991. Ref: 19 G

UNISC. "Relatório Anual 1998". Santa Cruz do Sul: Edunisc, 1998. Ref; 12 G

Relatório de Atividades da Universidade de Santa Cruz do Sul, referente ao ano de 1998.

Rolim, Marcos. "Dos Labirintos". Porto Alegre: Assembléia Legislativa do RS, 1997. Ref: 11 G

A figura do labirinto evoca um caminho difícil e, antes de tudo, perigoso. Todos aqueles que acompanharam, desde a mitologia, os desafios oferecidos aos protagonistas se recordarão dos labirintos como instâncias sempre ameaçadoras. Em toda a história da literatura, a decisão de entrar em um labirinto pressupõe, por isso mesmo, determinados riscos e, pelo menos, um grande desafio: encontrar a saída. (o autor)

Comissão de Cidadania e Direitos Humanos. "Relatório Azul: garantias e violações dos D. H. no RS. Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, 1994. Ref: 10 G (2 exemplares)

A Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul tem elaborado, anualmente, um relatório de suas atividades. Mais do que uma prestação de contas do trabalho realizado, tais relatórios têm oferecido ao próprio parlamento gaúcho e às entidades afetas ao tema uma sistematização de uma realidade - nem sempre conhecida - de violações bastante comuns dos direitos mais elementares.

Comissão de Cidadania e Direitos Humanos. "Relatório Azul: garantias e violações dos D. H. no RS. Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, 1995. Ref: 10 G

O leitor tem em mãos um trabalho impactante, seja pelas denúncias, seja pelos dados, ou pela profundidade e lucidez das análises que oferece.

Comissão de Cidadania e Direitos Humanos. "Relatório Azul: garantias e violações dos D. H. no RS. Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, 1996. Ref: 10 G

Além de informar a população sobre as graves violações de direitos humanos que ocorrem no Rio Grande do Sul, o Relatório Azul possui o mérito de recuperar uma comovente história sobre pessoas.

Sindicato dos Bancários de São Paulo. "Bobeou dançou: o que todo bancário precisa saber sobre seus direitos". São Paulo: Sindicato dos Bancários, 1988. Ref: 9 G

Manual sobre a defesa dos direitos profissionais da categoria bancária.

Senado Federal. "Constituições estrangeiras". Brasília: Senado Federal, 1988. Ref: 8G

Constituições estrangeiras das repúblicas da Coréia, das Filipinas e do Suriname.

Genro, Tarso (apresentação). "Constituição da Nicarágua Sandinista". Porto Alegre: Tchê, 1987. Ref: 7 G

Constituição Política da Nicarágua que revela conquistas no sentido da construção de uma nova sociedade livre da exploração, da opressão e da miséria.

Senado Federal. "Revista de Informação Legislativa". Ano 25. Nº 99. Brasília: Senado federal, 1988. Ref: 6 G

Revista.

Senado Federal. "Revista de Informação Legislativa". Ano 26. Nº 104. Brasília: Senado federal, 1989. Ref: 6 G

Revista.

Senado Federal. "Revista de Informação Legislativa". Ano 26. Nº 102. Brasília: Senado federal, 1989. Ref: 6 G. Revista.

 

 

 

 

Busca por notícias:
Palavra:


galeria

CUT Rio Grande do Sul

Federação dos Bancários RS

baner

abraço